Relações competitivas entre gramíneas nativas do Cerrado e M. minutiflora
Aluno - Stefano Salvo Aires
Orientador - Heloísa Sinátora Miranda
Universidade de Brasília

Espécies gramíneas invasoras de origem africana, trazidas ao Brasil principalmente para fins forrageiros espalharam-se em larga escala, estando presentes em praticamente todos os fragmentos de Cerrado (Pivello et al. 1999ab). As características das gramíneas africanas, tais como: grande taxa de reprodução vegetativa, produção massiva de sementes, ciclo reprodutivo rápido e grande eficiência fotossintética permitem que estas utilizem os recursos do Cerrado com maior eficácia do que as gramíneas nativas, aumentando sua capacidade de competição e estabelecimento (Pivello e Freitas 2005). Estudos abordando a relação entre espécies nativas e invasoras geralmente reportam o impacto do processo de invasão. No entanto, poucos explicam os mecanismos pelos quais o impacto se deu (Levine et al. 2003). Estudos no sentido de elucidar o processo de competição entre espécies nativas e exóticas são necessários para estabelecer relações de resistência e parâmetros para manejo em ecossistemas invadidos. O presente trabalho tem como objetivo avaliar o crescimento, estabelecimento e sobrevivencia de plântulas de espécies gramíneas nativas em diferentes condições de competição com M. minutiflora. Em experimento concomitante será avaliado a ocupação de espaço pelas nativas e invasora em diverentes densidades de indivíduos.