Morfologia, Anatomia e Bioquímica do Colmo do Gênero Saccharum L. (Poaceae) Ocorrentes no Brasil
Aluna - Silvia Dias da Costa Fernandes
Orientadora - Dalva Graciano Ribeiro
Universidade de Brasília

 

O significado econômico das Poaceae é bastante expressivo, cerca de 50 gêneros são normalmente mencionados como fonte de alimentação e em torno de 20 são relacionados como pastagens. Em termos de produção mundial, as primeiras quatro culturas são gramíneas – cana-de-açúcar, trigo, arroz e milho. A cana-de-açúcar (Saccharum spp.) é a cultura líder para produção do açúcar globalmente, crescendo em áreas tropicais e subtropicais, sendo o Brasil o maior produtor de cana-de-açúcar do mundo. A importância de cana-de-açúcar pode ser atribuída à sua múltipla utilização, podendo ser empregada in natura, sob a forma de forragem, para a alimentação animal, ou como matéria prima para a fabricação de rapadura, melado, aguardente, açúcar e álcool. A procura de variedades resistentes e mais produtivas em cana-de-açúcar levou ao aparecimento de centenas de novas cultivares, denominadas complexo híbrido, o qual é oriundo do cruzamento inter-específico entre S. officinarum L. e S. spontaneum L. No entanto, há outras espécies ainda não exploradas, que podem representar diversidade de germoplasma, e melhorias para a cultura de cana-de-açúcar. No Brasil ocorrem 4 espécies de Saccharum L. – S. angustifolium (Ness) Trin., S. asperum (Ness) Steud., S. villosum Steud. e, a cana-de-açúcar cultivada, S. officinarum L. Em relação a S. officinarum existem inúmeros trabalhos nas diversas subáreas da botânica. Porém, as informações sobre as demais espécies são escassas ou até mesmo ausentes, o que dificulta a distinção entre elas, ou então uma possível utilização das mesmas, visado obtenção de melhores resultados para a cultura. Estes aspectos justificam o estudo mais detalhado e comparativo da morfologia, anatomia e bioquímica do colmo das espécies brasileiras do gênero. O material vegetal será coletado na Reserva Ecológica do IBGE – RECOR, e em outras regiões a ser definidas. As amostras de espécies em estágio reprodutivo serão depositadas nos herbários da Universidade de Brasília (UB) e do IBGE. Amostras de colmo serão coletadas entre o 2º e 3º nós a contar do ápice. Serão obtidos dissociados celulares, secções transversais e amostras paradérmicas. A avaliação quantitativa dos tecidos do colmo será realizada com auxílio do programa de análise de imagens IMAGE-PRO®PLUS. Para cada espécie serão analisadas 25 secções transversais e tomadas as medidas de cada uma das seguintes variáveis: área total da seção transversal; espessuras da epiderme, parênquima clorofiliano, esclerênquima e parênquima de reserva; também será verificada a quantidade de traços foliares e feixes vasculares por secção. Nas amostras dissociadas serão verificados comprimento e largura de 25 fibras por espécie analisada. Para complementar a análise anatômica, serão observados caracteres micromorfológicos via microscopia eletrônica de varredura. As concentrações dos diferentes açúcares e de lignina serão obtidas em espectrofotômetro. Os valores de espessura serão transformados em proporção em relação à área total da seção transversal. As quantificações de traços foliares e feixes vasculares serão expressas em termos de densidade. As concentrações obtidas pelas análises bioquímicas serão expressas em porcentagem. Os dados obtidos serão submetidos à análise estatística com o programa “R: A Language and Environment for Statistical Computing (2008)”, a hipótese nula a ser testada é: não existem diferenças significativas entre as quantificações obtidas nas espécies de Saccharum analisadas.