Fenologia reprodutiva e vegetativa de espécies de palmeiras em cerrado sensu strictu, com ênfase nos efeitos da predação de sementes sobre o sucesso reprodutivo, e da ocorrência de fogo sobre o sucesso reprodutivo e atividade dos indivíduos
Aluna - Morgana Maria Arcanjo Bruno
Orientador - John Du Vall Hay
Universidade de Brasília

 

A fenologia de espécies tropicais tem emergido como um importante foco para pesquisas ecológicas, não somente por sua relevância para estrutura e funcionamento dos sistemas, mas principalmente devido seu potencial no que diz respeito a críticas as questões globais de modelagem, monitoramento e mudanças climáticas (Singh & Kushwaha 2005).

Estudos sobre ecologia e evolução dos padrões fenológicos tem usualmente considerado o momento de cada evento do ciclo de vida isoladamente do resto do ciclo de vida. Os padrões fenológicos são comumente compelidos pela morfologia, fisiologia, e mais generalizadamente pela genética por trás cada indivíduo, com isso o foco em apenas um evento permite um exame da pressão seletiva atuando diretamente somente sobre aquele evento, entretanto, a seleção natural age sobre o organismo como um todo, fazendo com que considerar cada evento individualmente possa ser um erro (Rathcke & Lacey 1985).

É necessário o estudo dos trade-offs gerado pela contraposição da pressão seletiva agindo diretamente sobre cada evento fenológico, assim como examinar os fatores além dos aspectos do ciclo de vida do organismo possam causar potenciais mudanças fenológicas (Rathcke & Lacey 1985). Estudos futuros de fenologia necessitam considerar tanto o porquê um organismo responde a um particular ambiente através de uma mudança no padrão fenológico, assim como, as mudanças em muitos outros atributos, como o fator genético e o grau de adaptação (Rathcke & Lacey 1985).

Apesar da importância ecológica e econômica das palmeiras, a biologia da população de muitas de suas espécies é ainda desconhecida (Scariot et al. 1995). Sendo a compreensão dos padrões biológicos uma importante ferramenta para a avaliação da oferta de recursos, manejo e conservação das espécies o presente projeto visa estudar os componentes da reprodução sexuada, crescimento vegetativo e sucesso reprodutivo, em seis espécies de palmeiras nativas de cerrado sensu stricto. Analisando em particular o efeito da predação de sementes e da ocorrência de fogo sobre estes componentes.

Objetivo

Estudar aspectos relacionados à fenologia reprodutiva, vegetativa das espécies de palmeiras Allagoptera campestris, A. leucocalyx, Butia acheri, Syagrus comosa, S. flexuosa e S. petraea Syagrus flexuosa em cerrado sensu stricto, com ênfase nos efeitos da predação de sementes sobre o sucesso reprodutivo, e da ocorrência de fogo sobre o sucesso reprodutivo e atividade dos indivíduos regenerantes.

Objetivos específicos

1) Descrever a fenologia reprodutiva das espécies Allagoptera campestris, A. leucocalyx, Butia acheri, Syagrus comosa, S. flexuosa e S. petraea considerando as seguintes fenofases:

a) Pré-floração

b) Floração

c) Desenvolvimento dos frutos

d) Maturação e dispersão dos frutos

2) Avaliar se existe variação no período de floração e frutificação entre os indivíduos dentro de um ano e entre os anos no mesmo indivíduo, na ausência e presença de distúrbios freqüentes pelo fogo.

3) Examinar como varia a correlação entre o cronograma de floração e de produção de frutos nas sub-populações e entre os anos, na ausência e presença de distúrbios freqüentes pelo fogo.

4) Determinar a variabilidade do seu sucesso reprodutivo, tendo em vista a taxa de abortamento dos frutos e a predação de sementes.

5) Examinar se existe relação entre o crescimento do indivíduo nas seis espécies e a variação climática, na ausência e presença de distúrbios freqüentes pelo fogo;

6) Avaliar o efeito de um evento de queima sobre os componentes de reprodução sexuada e do crescimento vegetativo, no contexto de uma estratégia reprodutiva das espécies frente à ocorrência de fogo freqüente.

Hipóteses

1) H0: A fenologia das espécies não varia entre parcelas localizadas em áreas diferentes ou submetidas ao fogo freqüente.

2) H0: O sucesso reprodutivo das espécies não varia entre parcelas localizadas em áreas diferentes ou submetidas ao fogo freqüente.

3) H0: A taxa de predação de sementes não varia entre parcelas localizadas em áreas diferentes ou submetidas ao fogo freqüente.

4) H0: A atividade de rebrota vegetativa dos indivíduos não varia entre parcela localizadas em áreas diferentes ou submetida a fogo freqüente.

Metodologia

Áreas de estudo

As coletas de campo serão realizadas em cerrados sensu stricto do Parque Nacional de Brasília, Estação Ecológiaca de Águas Emendadas (ESECAE), Estação Experimental Fazenda Água Limpa (FAL), da UnB e na Reserva Ecológica do IBGE (RECOR). As áreas experimentais fazem parte do núcleo da Reserva da Biosfera do Cerrado (disponível em http:// www.rbma.org.br/mab/unesco) e, junto com a Reserva do Jardim Botânico de Brasília e outras áreas outras áreas circunvizinhas, compõem a APA das Bacias do Gama e Cabeça-de-Veado, perfazendo um total aproximado de 10.000 hectares de área protegida contínua.

As coletas na RECOR serão realizadas em parcelas experimentais do Projeto Fogo, o qual teve início em 1990 e final em 2008, visando conhecer os efeitos de diferentes regimes de queima sobre a fenologia reprodutiva e vegetativa das espécies de palmeiras estudadas. Os regimes de queimadas prescritas ocorreram a cada dois (queima bienal) ou quatro (quadrienal) anos, no início (queima precoce), meio (modal) ou fim (tardia) da estação seca na região.

Fenologia reprodutiva - Serão feitas visitas quinzenais durante três anos, para acompanhamento do estado fenológico reprodutivo de 20 indivíduos (etiquetados e para cada tratamento) com tamanho reprodutivo presentes nas áreas submetidas e não submetidas ao fogo, nas diferentes áreas.

Fenologia vegetativa – Serão selecionados e marcados de 30 indivíduos adultos das espécies em estudo, com tamanho mínimo reprodutivo nas duas áreas de estudo (FAL e RECOR). Será medida altura, do solo até a inserção da folha fecha, contado o número de folhas vivas e colocado anel em volta da folha flecha para acompanhamento do crescimento do indivíduo no período de três anos, através de medidas anuais, e para acompanhamento da produção de folhas, através de medidas quinzenais.

Predação e aborto – Para análise do sucesso reprodutivo das espécies para cada inflorescência produzida durante o período de estudo, todos os indivíduos marcados serão acompanhados em sua atividade reprodutiva e terão as suas infrutescências coletadas ao final do desenvolvimento dos frutos, quando estes haviam atingido a maturidade e estavam sendo dispersos.

Cronograma e Plano de trabalho –

Semestre I – Cumprimento dos créditos obrigatórios e levantamento bibliográfico.

Semestre II, III, IV, V, VI e VII– Levantamento bibliográfico, seleção das áreas e marcação dos indivíduos a serem estudados (20 em cada área), início do acompanhamento das fenofases reprodutivas e vegetativas, coleta das infrutescências maduras para determinação das taxas relativas ao sucesso reprodutivo e predação.

Semestre VIII - Levantamento bibliográfico, análise dos dados, redação da dissertação e artigos científicos.