Prospecção de óleos essenciais em espécies do bioma cerrado
Coordenador - Roberto Fontes Vieira
EMBRAPA CENARGEN

 

A flora do Cerrado é rica em espécies vegetais, possuindo 12.356 espécies (Mendonça et al., 2008). Contudo, o potencial de recursos genéticos do Bioma Cerrado encontra-se ameaçado em virtude da destruição acelerada dos seus ecossistemas. As queimadas, construções de hidroelétricas, atividades extrativistas predatórias, expansão agrícola e urbana figuram entre as principais ameaças a diversidade vegetal do Bioma Cerrado (Ribeiro & Walter, 1998; Vieira & Silva, 2002). Apesar do grande número de espécies, apenas uma pequena parcela tem sido pesquisada visando fins econômicos (Vieira & Silva, 2002). O mercado brasileiro de perfumes movimentou R$ 18,2 bilhões no ano de 2006, perdendo apenas para os países do primeiro mundo (Reynol, 2009). As vendas expandiram-se 26% nesse mesmo período, com o crescimento do mercado comparável aos países asiáticos (Reynol, 2009). O Brasil destaca-se nesse segmento exportando óleos essenciais de cítricos, que movimentaram mundialmente no inicio da atual década cerca de U$ 900 milhões anuais (Serafini & Cassel, 2001; Bandoni & Czepak, 2008). Um campo com importância no estudo dos produtos naturais é a prospecção de substancias aromáticas contidas em óleos essenciais obtidos a partir de plantas por diferentes técnicas de extração. Essas substâncias possuem uma larga utilização na indústria alimentícia, de cosméticos, perfumaria, higiene, medicamentos e limpeza, uma vez que o Brasil importa a maior parte dos óleos essenciais que a indústria nacional desses setores utiliza (Serafini & Cassel, 2001). As espécies aromáticas do Cerrado são pouco pesquisadas, quando comparadas às espécies da região nordeste e norte, que possuem maior levantamento de suas espécies aromáticas (Craveiro et al., 1981; Maia et al. 2001). No Nordeste brasileiro, diversos estudos foram realizados, gerando diversas iniciativas de sucesso, com produtos da flora local sendo exportados e utilizados na medicina local. A caracterização de germoplasma vegetal nativo, bem como a variabilidade química de seus metabólitos secundários são importantes para melhorar qualidade da matéria-prima produzida para comercialização (Vieira & Agostini-Costa, 2007). Este fato também deve ser levado em consideração quando se pretende estabelecer o manejo sustentável e a conservação de recursos genéticos da flora silvestre para melhor utilização de seus produtos. Face ao exposto, a produção de óleos essenciais de plantas nativas do Cerrado pode proporcionar o desenvolvimento de novos produtos para a agroindústria de essências, adequada às condições climáticas locais e aos pequenos produtores, com baixa mecanização e mão de obra familiar (Serafini & Cassel, 2001; Vieira & Silva, 2002). Desta forma, a produção e extrativismo de plantas aromáticas pode ser uma alternativa ao pequeno produtor, que pode comercializar este produto in natura ou desidratado, ou beneficiá-lo para a produção de óleo esssencial e extratos, entre outros produtos com maior valor agregado. Para isso, são necessárias pesquisas de prospecção de espécies vegetais nativas, uma vez que não há conhecimento básico sobre as espécies potenciais existentes e os poucos estudos existentes são fragmentados e sem avaliação do mercado. O objetivo deste projeto é a prospecção de óleos aromáticos da flora do Bioma Cerrado, com potencial olfativo para aplicação na indústria de fragrâncias e com possibilidade de geração de oportunidades de produção para a agricultura. Para contemplar esse objetivo as seguintes metas deverão ser alcançadas: (a) Estabelecer um banco de dados com pelo menos 15 espécies com amostras herborizadas georeferênciadas e documentação fotográfica da espécie in loco coletadas em cinco áreas da região do Cerrado, no Distrito Federal; e (b) Estabelecer um banco de amostras de óleo essencial extraídos das espécies do cerrado, com informações cromatográficas sobre a composição química das espécies.