Entrada da Reserva Ecológica do IBGE A Reserva Ecológica do IBGE, criada em 22 de dezembro de 1975, vem se consolidando como um importante centro de pesquisas do Bioma Cerrado. Possui uma área de 1300 hectares, que se localiza a 26 quilômetros ao sul de Brasília. É parte de Proteção Ambiental (APA) Gama-Cabeça-de-Veado e uma das Áreas Núcleo da Reserva de Biosfera do Cerrado, criada pela UNESCO, em 1993 no Distrito Federal.

Conheça um pouco sobre a Estação Meteorológica do IBGE que, há mais de 30 anos, coleta e registra informações necessárias para as previsões de tempo e para a composição da série histórica de dados climáticos do nosso país. O Informativo inclui também um pequeno texto sobre a evolução do trabalho de campo do IBGE no decorrer de quase 8 décadas e a crônica do pesquisador Tarciso Filgueiras, que constantemente tem enriquecido nossa comunicação com um texto salutar. Acesse aqui o Informativo 3/2013

  

O PELD está vinculado ao Programa Integrado de Ecologia (PIE) e teve sua aprovação pelo Fórum Nacional de Coordenadores de Cursos de Pós-graduação em Ecologia e pelo Presidente do CNPq em março de 1996. Em 1997, nove sítios de pesquisa foram escolhidos pelo CNPq nos diferentes Biomas brasileiros. A Reserva Ecológica do IBGE - RECOR foi um dos sítios escolhidos para representar o Bioma Cerrado. O Projeto O BIOMA CERRADO "Site" - Reserva Ecológica do IBGE - RECOR é uma parceria do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística com a Universidade de Brasília - UnB.

Com uma nova versão, o PELD (www.peld.unb.br) propõe estudos ecológicos de média e longa duração nas áreas de preservação que constituem a APA Gama e Cabeça de Veado: Reserva Ecológica do IBGE, Fazenda Experimental Água Limpa e Estação Ecológica do Jardim Botânica de Brasília.

Nos 50 anos de Brasília, o IBGE lança o livro Veredas de Brasília: expedições geográficas em busca de um sonho,  organizado por Nelson Senra, em 2010.

A participação da Reserva Ecológica do IBGE nesse contexto é registrada no capítulo "Geografia da esperança: a Reserva Ecológica do IBGE e a nova capital", do pesquisador Mauro César Lambert de Brito Ribeiro.